Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Carta ao CEO

Engraçado que alguns assuntos só caminham quando entramos no jogo, não é?  Mas isso é bom ou ruim?

Vejo cada vez mais gestores nem um pouco dispostos a entrar num embate sincero sobre mudanças com o CEO da empresa. Por que isso acontece?

Bem, há uma série de fatores, a começar pelo fato da própria inercia, porque muitos gestores não estão entendendo as transformações no mundo e daí não compram briga porque simplesmente não veem necessidade.

Outros até enxergam, mas vivem o “Complexo de Gabriela”. Como na música de Dorival Caymmi diz: “Eu nasci assim, eu cresci assim// Eu sou mesmo assim// Vou ser sempre assim Gabriela// sempre Gabriela.”

Para que mudar o que já está funcionando a 10, 20 ou 30 anos? Simples, dá trabalho! Sair da famosa “zona de conforto”, cortar da própria carne é realmente um exercício que, muitas vezes, só vai funcionar quando o CEO entra no circuito.

Tenho exemplos práticos de negócios que só aconteceram com a nossa empresa quando o CEO da empresa contratante entrou em cena. Uma pena pois os gestores perdem/perderam a chance de trazer para si o protagonismo da mudança.

Aqui vai a minha provocação: por que manter essa forma antiga de monitoramento de segurança na sua empresa? Por que tantas pessoas envolvidas para gerar apenas a imagem gravada do problema? Será que não tem forma mais eficaz, inteligente e menos custosa?  Se já mostramos o caminho e somos uma opção real a tudo isso, porque seu gestor ainda não nos apresentou como uma possibilidade de mudança a você? Por favor pergunte a ele! E se não for convincente, estarei a disposição auxiliá-los nesse processo.

Por fim, existe um pequeno grupo que entende o momento de transformação. Estão sempre prontos a jogar fora suas crenças antigas no lixo e não fogem de um bom debate de ideias com o objetivo de levar mudança. Esses profissionais têm o meu respeito e tenho a sorte de ter uma equipe de Heads que me forçam a ser a cada dia um CEO melhor.

Eu sempre digo que um consenso sincero de todos – ou maioria – permitirá que ideias ou projetos tenham um alto índice de sucesso

Alexandre Chaves

CEO da C4i Inteligência em Segurança e Diretor do Departamento de Segurança e Defesa da FIESP – Federação das Indústrias do Estado de São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *